MILHO

O milho (Zea mays L.) é extensivamente utilizado como alimento humano ou para ração animal, devido às suas qualidades nutricionais. O milho é uma das mais eficientes plantas armazenadoras de energia existentes na natureza.
A absorção dos nutrientes, de modo geral, é influenciada por diversos fatores, entre eles a capacidade de exploração do sistema radicular, as condições climáticas, as propriedades dos solos, a disponibilidade de água e de nutrientes no solo e o manejo cultural. O manejo químico do solo envolve práticas corretivas seguidas de práticas de manutenção, como:

  • correção do pH do solo e neutralização de Al3+;
  • adubação corretiva de macronutrientes primários (P e K) e secundários (Ca e S);
  • adubação de manutenção dos nutrientes extraídos pelas plantas;
  • fornecimento de nutrientes (macro e micro) conforme expectativa de produtividade;
  • práticas que permitam a maior eficiência do fertilizante.

 PRODUTOS RECOMENDADOS PARA CULTURA DO MILHO (BASE):

ADUBAÇÃO DE BASE:

Para o milho, tanto na produção de grãos como na de silagem, será necessário colocar à disposição da planta a quantidade total de nutrientes que esta extrai, que devem ser fornecidos pelo solo e através de adubações. Dados médios de experimentos conduzidos por COELHO et al. (dados não publicados), com doses moderadas a altas de fertilizantes, dão uma ideia da extração de nutrientes pelo milho, cultivado para produção de grãos e silagem (Tabela 1).

(Adaptado de Coelho e França 1995 IPNI – seja doutor em milho).

 PRODUTOS RECOMENDADOS PARA CULTURA DO MILHO (COBERTURA):

ADUBAÇÃO DE COBERTURA:

Definida a necessidade de aplicação de nitrogênio para a cultura do milho, os passos seguintes, de grande importância no manejo da adubação visando à máxima eficiência, são o conhecimento da absorção e acumulação desse nutrientes nas diferentes fases de desenvolvimento da planta e a identificação das épocas em que os elementos são exigidos em maiores quantidades.
O milho apresenta períodos diferentes de intensa absorção de nutrientes, com o primeiro ocorrendo durante a fase de desenvolvimento vegetativo, V12 a V18 folhas, quando o número potencial de grãos está sendo definido,  e o segundo durante a fase reprodutiva ou formação da espiga, quando o potencial produtivo é atingido (Figura 1).